Saúde Pública

Programa «Diz não a uma seringa em 2ª mão» na Região do Algarve

O Programa «Diz não a uma seringa em 2ª mão», criado no âmbito do Programa Nacional para a Infeção VIH/sida, foi alargado e agora já é possível efetuar a troca de seringas em  farmácias (aderentes em janeiro de 2015), através da recolha e distribuição de material esterilizado, de forma gratuita e confidencial, visando a prevenção da transmissão da infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH).

Já desde 2013, nos 3 ACES da região do Algarve, em várias Unidades de Saúde, o utilizador de drogas injetáveis pode efetuar a troca de seringas ou solicitar kits, independentemente da sua área de residência.

Para isso, basta dirigir-se a um dos Centros de Saúde no horário de atendimento indicado:

Locais de trocas de seringas no âmbito do programa «Diz não a uma seringa em 2ª mão» – Centros de Saúde (atualizado em junho de 2015)

Farmácias aderentes ao Programa «Diz não a uma seringa em 2ª mão» – Algarve 2015

Para a troca de seringas, o utilizador de drogas injetáveis, não necessita de ter cartão de utente e não paga nenhuma taxa moderadora.

No âmbito do Programa «Diz não a uma seringa em 2ª mão», a troca de seringas é também realizada através das Equipas de Apoio Social Direto do MAPS (Movimento de Apoio à Problemática da SIDA), que utilizando Unidades Móveis percorrem regularmente a Região (Lagos, Portimão, Lagoa, Quarteira, Loulé, Faro, Olhão, Tavira, Vila Real de Stº António/Monte Gordo).

O contágio de doenças infeciosas, nomeadamente as hepatites B e C e a infeção pelo VIH, é possível através da partilha de seringas assim como através da partilha de todo o material que é utilizado para a preparação da droga.

Por este motivo, cada Kit de prevenção, para além de 2 seringas, contém: 2 recipientes (caricas), 2 filtros, 2 carteiras de ácido cítrico, 2 ampolas de água bidestilada e 2 toalhetes desinfetantes.

Os objetivos deste Programa são:

– Prevenir a transmissão endovenosa e sexual do VIH na população utilizadora de drogas injetáveis;

– Evitar a partilha de seringas facilitando o acesso a novas seringas estéreis;

– Evitar o abandono e reutilização de seringas recolhendo-as para destruição;

– Promover a utilização do preservativo;

– Divulgar informação personalizada sobre a infeção VIH/sida.

Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve

RESUMO

imagemO consenso em torno da problemática da obesidade infantil na região, levou a Administração Regional de Saúde do Algarve, IP a envolver-se na concepção do Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve, o qual assenta num trabalho multidisciplinar e interinstitucional, envolvendo 24 parceiros, locais e regionais o que, do ponto de vista político-social, constitui uma mais-valia na prossecução das actividades a desenvolver.

O programa tem por base a promoção dos dois estilos de vida que mais interferem no controlo de peso, a alimentação saudável e a atividade física regular, tendo como objectivo prevenir e tratar a obesidade infantil, de forma a contrariar a taxa de crescimento da prevalência da pré-obesidade e da obesidade infantil na região do Algarve.

A intervenção é de cariz comunitário sendo a família o principal alvo do trabalho desenvolvido, primordialmente a nível das escolas e a nível dos Cuidados de Saúde da região, com o envolvimento das instituições locais e regionais.

Combate à Obesidade Infantil

seta   PARCEIROS

seta   ESTUDO DE PREVALÊNCIA

seta   INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA (Materiais de apoio ao aconselhamento breve em alimentação saudável e em atividade física regular)

seta   ESCOLA ATIVA

seta   TRATAMENTO DA OBESIDADE INFANTIL

seta   EMENTAS ESCOLARES

Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve: Parceiros

O Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve assenta num processo de cooperação e parceria interinstitucional e multidisciplinar, no qual se desenvolve um plano de política de saúde regional e local. Para tal, foi celebrado um protocolo de colaboração inicial, assinado em 10 de Março de 2006, seguido de um aditamento ao mesmo protocolo, assinado em 26 de Março de 2007. Este compromisso foi assumido entre 24 parceiros: Administração Regional de Saúde do Algarve, IP; Universidade do Algarve; Hospital de Faro – EPE; Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio – EPE; Direcção Regional de Educação do Algarve; Federação Regional das Associações de Pais do Algarve; Direcção Regional do Algarve do Instituto do Desporto de Portugal, IP; Grande Área Metropolitana do Algarve; Câmara Municipal de Albufeira; Câmara Municipal de Alcoutim; Câmara Municipal de Aljezur; Câmara Municipal de Castro Marim; Câmara Municipal de Faro; Câmara Municipal de Lagoa; Câmara Municipal de Lagos; Câmara Municipal de Loulé; Câmara Municipal de Monchique; Câmara Municipal de Olhão; Câmara Municipal de Portimão; Câmara Municipal de S. Brás de Alportel; Câmara Municipal de Silves; Câmara Municipal de Tavira; Câmara Municipal de Vila do Bispo; Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.

fluxograma_politica_saude_regional_local.jpg

Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve: Estudo de Prevalência

Conforme previsto em termos cronológicos, e ao abrigo do primeiro protocolo, o programa iniciou-se, numa primeira fase, em 2006, com a realização do diagnóstico da situação, através do estudo da prevalência da pré-obesidade e da obesidade infantil na região do Algarve no decorrer do ano lectivo 2005-2006, a partir de dados obtidos em 15 Escolas do 1º ciclo do Ensino Básico aleatoriamente seleccionadas, quer públicas quer privadas. Os resultados do estudo, realizado em parceria com a Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve, revelaram que 30,2% de crianças com idades compreendidas entre os 7 e os 9 anos apresentavam excesso de peso, sendo 10,2% obesas e 20,0% pré-obesas.

Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve: Intervenção Comunitária

Perante os dados encontrados no estudo de prevalência da pré-obesidade e da obesidade infantil na região do Algarve deu-se início à segunda fase do programa, 2007 a 2012, com uma intervenção comunitária regional, a qual assenta em estratégias de abordagem interinstitucional e pluridisciplinar, baseada fundamentalmente na promoção da alimentação saudável e da actividade física regular. O Programa de Combate à Obesidade Infantil no Algarve preconiza, portanto, medidas estratégicas de intervenção comunitária focalizadas na família, desenvolvidas sobretudo ao nível dos cuidados de saúde, em estreita articulação com as escolas e com as autarquias da região. Para além da intervenção junto da comunidade em geral, constitui prioridade a abordagem das famílias e das escolas. Para tal, é realizada a capacitação de profissionais de saúde e de educação através de inúmeras ações de formação.

O programa preconiza uma intervenção precoce junto das famílias, por um lado com uma avaliação antropométrica sistemática, e por outro com a realização de aconselhamento breve em alimentação saudável e atividade física regular, destinada a toda a população infantil e juvenil, com ou sem excesso de peso. Com vista ao desenvolvimento desta metodologia foram produzidos materiais de apoio com orientações para profissionais de saúde, orientações para crianças/adolescentes e registos semanais de monitorização comportamental.

fluxograma_materiais_apoio_aconselhamento_breve.jpg

 

Materiais de apoio ao aconselhamento breve em alimentação saudável

pdf_64x64.pngOrientações para profissionais de saúde sobre alimentação saudável

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre alimentação saudável 2 a 5 anos

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre alimentação saudável 6 a 10 anos

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre alimentação saudável 11 a 15 anos

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre alimentação saudável 16 a 18 anos

pdf_64x64.pngRegisto semanal da alimentação

Materiais de apoio ao aconselhamento breve em atividade física regular

pdf_64x64.pngOrientações para profissionais de saúde sobre atividade física regular

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre atividade física regular 2 a 5 anos

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre atividade física regular 6 a 10 anos

pdf_64x64.pngOrientações para a comunidade sobre atividade física regular ≥ 11 anos

pdf_64x64.pngRegisto semanal da atividade física

MATERIAIS

No âmbito do Programa de Combate à Obesidade Infantil têm sido produzidos materiais de divulgação, nomeadamente o folheto O Peso da Família o qual tem um conjunto de orientações práticas dirigidas às famílias em termos de alimentação e actividade física, tendo sido objecto de uma divulgação personificada, em carta dirigida a todos os encarregados de educação das pré-escolas e escolas básicas do 1.º ciclo da rede pública de toda a região, no ano lectivo 2008/2009.

Com o objectivo de melhor divulgar os objectivos e as actividades do Programa de Combate à Obesidade Infantil na região do Algarve, foi ainda concebido um vídeo alusivo ao tema: Hiperligação para visualização do video de apresentação do Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região do Algarve

 

IMPACTOS RELEVANTES

A expansão de actividades a desenvolver no âmbito do Programa de Combate à Obesidade Infantil na região do Algarve tem aumentado a afectação de recursos humanos, principalmente de dietistas, nutricionistas e professores de educação física nas diversas instituições parceiras. Por outro lado, este programa regional tem impulsionado o aparecimento de múltiplos projectos locais, como por exemplo o projecto Merendas do Recreio em Olhão (promoção da qualidade nutricional das merendas escolares), o projecto Prevenção da Obesidade Infantil em Faro (promoção de alimentação saudável e actividade física regular), o projecto Saber Comer para Melhor Crescer em Albufeira (promoção da qualidade dos hábitos alimentares das crianças em idade escolar) e os projectos de prescrição de actividade física nos Centros de Saúde por técnicos de desporto das autarquias.

Area Cidadão