Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Arrow
Arrow
Slider

Unidade de Terapia Familiar (UTF)

A Unidade de Terapia Familiar é uma resposta do Ministério da Saúde e da ARS Algarve, às necessidades de ajuda que algumas famílias e casais tinham quando não conseguiam lidar com os problemas de comunicação entre os seus membros.

Foram os médicos de família do Algarve, a quem as famílias e casais recorriam, que primeiro sentiram a necessidade de ajuda na área sistémica.

Esta Unidade consiste na prestação de apoio a famílias com variados problemas através de sessões com terapeutas especializados. Tendo como base a máxima «acreditar e fazer acreditar», trabalham as famílias com o principal objetivo de lhes devolver, ao longo das sessões, competências para que ultrapassem as próprias crises e apoiá-las na resolução dos seus problemas.

A UTF tem como área de intervenção o Distrito de Faro. O acesso a esta Unidade de Serviços faz-se mediante referenciação do médico de família, realizada através de e-mail: utf@arsalgarve.min-saude.pt, ou telefone: 289826492.

Fundadores:

Alexandra Alvarez: Terapeuta Familiar (Mestre em Gestão e Políticas Públicas, Licenciada em Serviço Social, Terapeuta Familiar com grau de supervisora e membro efetivo da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar.

Pedro Manuel Teigão: Terapeuta Familiar (Assistente Graduado de Medicina Geral e Familiar, Terapeuta Familiar com grau de supervisor e Membro Efetivo da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, a exercer funções de coordenador na Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Quarteira e da Unidade de Terapia Familiar da ARS Algarve).

UTF_1

Equipa de Terapeutas da UTF:

Pedro Teigão (Terapeuta Familiar Supervisor/Coordenador)

João Pedro Luz (Terapeuta Familiar)

Raquel Medeiros (Terapeuta Familiar)

Marta Teixeira (Terapeuta Familiar)

UTF

UMA EXPLICAÇÃO SOBRE TERAPIA FAMILIAR

Conceito de família

A família é uma unidade fundamental que acompanha a formação e o desenvolvimento do ser humano. É composta por pessoas que estabelecem entre si profundas ligações emotivas, que são naturalmente complexas e diferentes ao longo da vida e muitas vezes unem várias gerações, podendo possuir elementos que, não tendo ligação biológica com a família, são afectivamente muito importantes no enredo das relações familiares.

A família designa assim um conjunto de elementos emocionalmente ligados entre si.

O que é a Terapia Familiar?

A Terapia Familiar é um diálogo que se constrói e desenvolve no tempo, envolvendo um terapeuta disponível e uma família normalmente em grande sofrimento.

É uma procura de novas alternativas que não passa por resolver problemas e corrigir erros mas, principalmente, por colocar em evidência a competência da própria família, activando a sua participação na resolução dos seus problemas.

O Terapeuta não transforma mas suscita ocasiões favoráveis à mudança.

Como é o funcionamento na prática?

O processo terapêutico é diferente porque todas as famílias são diferentes, mas no que respeita ao funcionamento, no modelo clássico reúne-se toda a família nuclear, ou os elementos que vivem em conjunto, com o objectivo de retratar e situar toda a dinâmica daquela família, existindo espaço para que todos abordem as suas sensações e em simultâneo conhecer a experiência que os outros possuem na relação familiar entre si.

Não obstante os elementos preferenciais serem os acima descritos, deverá existir sempre a possibilidade de flexibilizar sobre quem pode estar nas sessões, por exemplo juntando os irmãos, ou só os pais, ou só os avós e netos, ou mesmo outros elementos que, embora não pertençam à família, têm uma relação significativa ou desempenham um papel importante no desenrolar da vida familiar.

A Terapia Familiar não é uma terapia à família mas com a família.

Que famílias procuram ajuda?

De uma forma geral , quando acontece na vida da família uma situação preocupante, ou quando as pessoas não conseguem ter relações satisfatórias.

Muitas vezes o pedido de ajuda é feito junto de um médico, de um professor ou de outro técnico, e é depois deste primeiro pedido que é sugerida a Terapia Familiar.

Não existindo muitas respostas das Instituições de saúde para o apoio às famílias, existem cada vez mais profissionais com formação específica nesta área do trabalho com famílias e também com muita sensibilidade para o desenvolver, pois também a formação faz um apelo muito forte a este aspecto.

Quando se inicia o processo terapêutico?

O processo terapêutico em Terapia Familiar inicia-se com o pedido de terapia realizado pela família, ou por um dos seus membros.

Como é realizado o pedido?

O pedido é realizado por telefone pelos interessados ou por indicação de profissionais que conhecem a família e em simultâneo a abordagem sistémica. Tanto num caso como noutro este primeiro contacto reveste-se da maior importância pelo que para além dos dados relativos ao contacto posterior com a família ( nome, morada, telefone, …) é registada a composição do agregado familiar , idades e situação escolar e profissional dos diferentes elementos.

Após recolha dos dados de identificação e composição familiar, importa ainda conhecer o motivo que leva ao pedido de ajuda e qual a ideia de que o nosso interlocutor tem sobre o problema.

Esta breve descrição vai permitir conhecer o problema que nos surge como inicial, qual o elemento da família sobre o qual recai a preocupação, bem como a formulação de algumas hipóteses de trabalho que poderão ou não vir a ser confirmadas após a primeira sessão. Aliado ao pedido expresso por vezes existe um pedido latente que só será percebido na dinâmica com a família.

Em que momento é procurada a ajuda? 

Quando as pessoas procuram ajuda acreditam que sozinhas não conseguem resolver os problemas que as preocupam e, muitas vezes, esse pedido surge quando a situação toma proporções muito grandes e o sofrimento se torna insustentável.

Qual o contexto de atendimento à família?

O trabalho com a família decorre em sessões cuja duração oscilará entre os 50 e os 60 minutos e em que estarão presentes todos os elementos da família nuclear ou alguns deles, ou ainda elementos da família alargada ou elementos significativos para a vida da família em análise.

A ordem e o critério destas presenças relaciona-se directamente com o desenrolar das sessões, a história das famílias e o significado que outros elementos de relacionamento próximo possam ter para a mesma. Nada é pensado sem o contexto em que a sessão decorre e as relações que a família nos traz como material de trabalho.

A sala de terapia familiar deve corresponder a um espaço amplo, térmico e confortável e deve contemplar um espaço em que as crianças que venham à sessão possam ocupar-se ludicamente, com o objectivo de não existirem obstruções ao processo terapêutico pela exigência de atenção às mesmas que rapidamente se podem cansar por se encontrarem num espaço que lhes é monótono.

Relativamente ao mobiliário deve optar-se por um estilo sóbrio e pela existência de várias cadeiras, a utilizar uma por membro da família e pelos terapeutas, as quais devem ser confortáveis, iguais e dispostas em círculo.

É ainda possível que o espaço das sessões possua um espelho unidireccional, forrado com uma película que permita que de uma sala contígua a sessão seja acompanhada sem que, não obstante a autorização da família, os intervenientes se sintam observados e por isso condicionados na sua dinâmica, ou ainda que seja utilizada uma câmara de filmar que permita efectivar o registo da sessão num filme que posteriormente é visionado pela equipa e serve de base à intervenção posterior, sendo a gravação da sessão sujeita, igualmente, à autorização da família.

Qual a actuação dos Terapeutas?

O Terapeuta Familiar pode actuar sozinho ou em co-terapia, sendo esta última a que permite maior criatividade nas sessões, dado que estando dois terapeutas na sala um pode assumir um papel mais activo enquanto o outro o sustenta em temos das intervenções.

Se existir uma co-terapia é desejável que a mesma se componha por um casal de terapeutas pois assim as presenças em número de género masculino e feminino ficam mais homogéneas e será menos desconfortável para a família, ou seja, trabalhando um casal se os terapeutas forem ambos homens ou mulheres existe uma desvantagem para um dos elementos da família, o que pode condicionar o à vontade.

Qual a dinâmica das Sessões de Terapia Familiar?

As sessões de Terapia Familiar devem constituir um desafio à “metacomunicação” em que o terapeuta solicita informação à família de uma forma interactiva, ou seja para saber das relações existentes entre os elementos C e D coloca a questão ao elemento A.

A base da sistémica é a circularidade pelo que todos têm uma quota parte de responsabilidade no problema, o que cada elemento refere sobre a situação para a qual é pedida ajuda é apenas uma versão, a de cada um.

Esta técnica é surpreendentemente eficaz porque as pessoas falam mais facilmente sobre os outros do que sobre si próprias. A “metacomunicação” sobre a relação de dois outros elementos da família, na sua presença vai tornar possível a obtenção de informação muito variada e rica que traduz relações.

UTF

 

1ª Sessão

A 1ª sessão tem uma forte componente social e existe a preocupação dos terapeutas no acolhimento à família.

O ambiente é descrito e explicada a eventual presença da câmara de filmar ou de alguém atrás do espelho.

A família que pela primeira vez participa numa sessão de Terapia Familiar não conhece o modo de funcionamento da mesma, o que a pode colocar numa situação de desconfiança, pelo que é importante que os terapeutas reforcem as reduzidas informações que a família possuía sobre o desenrolar das mesmas.

Após criadas as condições favoráveis à intervenção o terapeuta vai questionar os diferentes elementos da família sobre o motivo que os traz à consulta e também sobre o que cada um pensa sobre a sua família.

A mãe deveria ser interpelada em último lugar pois regra geral é ela que possui uma informação mais vasta.

2ª Sessão

Após o contacto e entrevista inicial, o 2º encontro com a família é marcado para cerca de 15 dias depois. Neste intervalo de tempo a família conclui se deve voltar ou não a uma segunda sessão, conclusão essa condicionada pela relação e empatia com os terapeutas, como também pela postura e opinião dos diferentes elementos da família, quer pela sua posição no sistema, elemento familiar mais determinante ou não, quer pelo sentir do elemento identificado.

Na Segunda sessão solicita-se que a família resuma a sessão anterior, o que possibilita verificar a existência de alterações e o cumprimento ou não das eventuais prescrições, é abordado o decorrer entre uma sessão e outra e circularmente cada elemento vai expressando o seu sentir.

As futuras sessões espaçam-se de 3 em 3 semanas ou ocorrem mensalmente, contudo esta distância não é rígida e também varia de acordo com as características da situação e da família, sendo por isso ajustável e passível de ser mais ou menos espaçada. È possível que ao longo do processo terapêutico se encontrem etapas de “manutenção” e que estas se verifiquem trimestral ou semestralmente.

A partir da 2ª sessão a origem do pedido pode ser redefinida e o terapeuta enquadrará o sintoma numa perspectiva diferente, no entanto esta intervenção deve ser cuidadosa pois pode constituir desagrado à família que tão prontamente apresenta um único problema e é esse em exclusivo que quer ver abordado no espaço da consulta.

As famílias de origem

A Terapia familiar pode envolver a necessidade dos terapeutas conhecerem as famílias de origem, o seu genograma, a sua história, as suas experiências e o seu modo de vida e valores transmitidos. Às vezes resulta importante convidar elementos da família alargada para participarem nas sessões.

A pausa nas sessões 

Em sessões que se presenciam momentos de grande tensão é importante que os terapeutas façam uma pausa, saiam da sala e em conjunto possam reestruturar a sua intervenção. De resto estas pausas podem revestir-se de importância caso um dos
terapeutas necessite partilhar com o outro as suas “confabulações” sobre o desenrolar das sessões.

As alianças

Os elementos da família por vezes tentam manter uma aliança com os terapeutas ou apenas com um deles de modo a obterem a sua protecção e aprovação e, de facto, em certos momentos é importante que o terapeuta corresponda a esse desejo. Nessa situação o outro técnico deverá aliar-se a outro dos elementos, de acordo com as necessidades sentidas com a intervenção, para que seja estabelecido um equilíbrio.

O Final das sessões e as Prescrições

No final da sessão a família tem expectativa face ao que os Terapeutas sentiram relativamente ao que foi dito pelo que, o que foi dito e trabalhado deve ser comentado, contudo não é necessário que a família leve “algo para casa” dado pelo terapeuta, o que importa é que sinta que este a escutou e compreendeu.

 

UTF

Quando é que o trabalho com a família se concluí?

A dinâmica das sessões varia de família para família e de terapeuta para terapeuta, não existem prazos estanques e nem podem existir pois a família tem a sua opinião a dar, a qual é integralmente respeitada visto que o sucesso das sessões depende da sua adesão às mesmas.

Assim, o momento que o terapeuta entende para finalizar o trabalho com dada família nem sempre corresponde ao da própria família.

O Terapeuta prevê que o trabalho com a família seja concluído quando o seu ciclo vital foi ultrapassado e os elementos passaram a estar noutro registo e a relacionar-se respeitando-se uns aos outros, contudo, sendo a terapia familiar um processo que supõe o despender de muitas energias e sobretudo aceitar a mudança, verifica-se que a família por vezes sofre muito para atingir estes resultados, factor que associado ao próprio grau de envolvimentos dos seus elementos pode condicionar a continuidade das sessões e aí a família poderá decidir a todo o momentos não voltar.

Acontece ainda que o não querer voltar é porque de facto com um conjunto curto de sessões a família também passou a sentir-se diferente e naquele momento aquela diferença ser quanto baste.

A UTF do Algarve possui instalações próprias, situadas num andar da ARS do Algarve onde funciona, igualmente, a Direção Regional do Internado Médico de Medicina Geral e Familiar. O espaço dispõe de duas salas adjacentes sendo uma para as sessões, e a segunda para o visionamento direto das mesmas.

As instalações estão localizadas centralmente e dispõem de acessos diretos, possibilitando discrição às famílias.

Na criação desta Unidade existiu a preocupação de dotá-la de equipamentos que facilitem a intervenção terapêutica e a prática da investigação e formação, de entre as quais destacamos:

  • Espelho unidirecional em sala de visionamento que permite a supervisão das sessões e o treino dos terapeutas familiares em formação;
  • Possibilidade de ser estabelecida comunicação com os terapeutas que estão em consulta sem interferência;
  • Sistema de vídeo gravação com qualidade de imagem e som e arquivo confidencial em DVD;
  • Bibliografia de apoio.

UTF_13                                           

As consultas decorrem normalmente de terça a sexta-feira, entre as 17h00 e as 21h00.

Esta consulta requer, preferencialmente, uma referência prévia realizada por um Técnico que se constitui como referenciador do Serviço. Previa-se que o médico de família fosse o mais frequente referenciador, no entanto os Técnicos das áreas sociais, os Tribunais de Família e Menores e as próprias famílias também têm tido um papel bastante ativo na referenciação das famílias e casais.

A referenciação é feita através de e-mail, através do qual os utentes podem também colocar questões e tirar as suas dúvidas.
E-mail: utf@arsalgarve.min-saude.pt

Telefone geral: 289826491

Telefone direto: 289826492 ou 964520114

E-mail: utf@arsalgarve.min-saude.pt

Fax: 289826493
Morada: Rua João de Deus nº45 1º Dt. 8000-368 FARO

Projecto da Unidade de Terapia  Familiar apresentado pelos terapeutasAlexandra Alvarez Alexandre e Pedro Manuel Teigão no Encontro realizado em 30 de Novembro de 2004 pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar.

Para ver a apresentação, em Powerpoint, ou carregar o ficheiro clique aqui > APRESENTAÇÃO 1


Apresentação de Pedro Manuel Teigão no 22º Encontro Nacional de Clínica Geral realizado entre 9 e 12 de Março de 2005 .

Para ver a apresentação, em Powerpoint, carregar o ficheiro clique aqui > APRESENTAÇÃO 2


Apresentação Barcelona 12.10.2009

Para ver a apresentação, em Powerpoint, (2007) carregar o ficheiro clique aqui > APRESENTAÇÃO 3


Apresentação Escola Superior de Saúde, encontro de Médicos Internos de Medicina Geral e Familiar Junho de 2007

Para ver a apresentação, em Powerpoint, carregar o ficheiro clique aqui > APRESENTAÇÃO 4

Voltar
Area Cidadão