Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

A importância do trabalho em equipa em destaque nas Jornadas de Cuidados Continuados Integrados do Algarve

jornadas3.jpgMais de duas centenas de profissionais de saúde e do sector social participaram na segunda-feira, 2 de Maio, nas Jornadas de Cuidados Continuados Integrados do Algarve que decorreram no Cine – Teatro Louletano, em Loulé, com o objectivo de fazer o balanço dos cinco anos de implementação da rede na região, dando a conhecer o trabalho desenvolvido pelas equipas de cuidados continuados no domicílio e pelos parceiros nas unidades de internamento das diferentes tipologias de cuidados continuados existentes na região.

 

jornadas3.jpgMais de duas centenas de profissionais de saúde e do sector social participaram na segunda-feira, 2 de Maio, nas Jornadas de Cuidados Continuados Integrados do Algarve que decorreram no Cine – Teatro Louletano, em Loulé, com o objectivo de fazer o balanço dos cinco anos de implementação da rede na região, dando a conhecer o trabalho desenvolvido pelas equipas de cuidados continuados no domicílio e pelos parceiros nas unidades de internamento das diferentes tipologias de cuidados continuados existentes na região.

 

 

jornadas_8.jpgNa Sessão inaugural, que contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Dr. Serúca Emídio, do Governador Civil de Faro, Tenente Coronel Silva Gomes e do Director do Instituto de Segurança Social – Centro Distrital de Faro, Dr. Arnaldo Oliveira, o Presidente do Conselho Directivo da ARS Algarve IP, Dr. Rui Lourenço, agradeceu a disponibilidade da autarquia de Loulé para receber a jornadas no Cine – Teatro Louletano, explicando que «a escolha de Loulé» para realizar este encontro «tem um significado especial» visto que o projecto-piloto do apoio domiciliário dos cuidados continuados no Algarve «iniciou-se em Loulé em 2005».

 

jornadas4.jpgNo decorrer da sua intervenção, o Dr. Rui Lourenço, fez um balanço bastante positivo do trabalho desenvolvido ao longo destes cinco anos no âmbito da implementação da Rede de Cuidados Continuados Integrados na Região do Algarve, realçando que «esta rede foi estabelecida para ajudar as pessoas a ficar no domicílio, ajudar as famílias a cuidar dos seus e esta aposta foi ganha e serve de modelo para o país».

 

jornadas6.jpgMostrando-se «orgulhoso» por pertencer «a esta equipa», o Presidente da ARS Algarve IP aproveitou o momento para agradecer o empenho de todos os profissionais que trabalham diariamente nas equipas de cuidados continuados do Algarve, destacando «o Prémio de Boas Práticas no Sector Público, na categoria Serviço ao Cidadão – Saúde, promovido pelo Diário Económico e Deloitte, com o apoio do INA e da Fundação Luso-Americana, atribuído às equipas de apoio domiciliário da região do Algarve no final de 2010», que, de forma simbólica, foi entregue a todos os representantes das 28 equipas de apoio domiciliário da região como forma de reconhecimento do seu trabalho.

 

jornadas5.jpgO Professor Jorge Araújo da TEAMWORK Consultores, realizou uma conferência sobre «a importância do trabalho em equipa», onde de forma descontraída e com alguns exercícios e treinos práticos realizados com os participantes das jornadas colocando à prova as suas capacidades para trabalhar colectivamente, destacou a importância da motivação, da confiança, da comunicação com eficácia, cooperação e da ligação emocional entre todos os membros da equipa para que se alcancem os objectivos a que se propõem.

 

Seguindo-se a apresentação de um vídeo que relata o ponto de situação da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados na Região do Algarve, destacando o desenvolvimento e trabalho efectuado pelos profissionais das diversas equipas ao longo dos últimos cinco anos e perspectivando o futuro da rede na região.

 

A manhã terminou com um painel dedicado à apresentação da experiência das equipas de apoio domiciliário da região do Algarve através do cruzamento das diferentes visões dos profissionais de saúde que compõem estas equipas multiprofissionais.

jornadas_9.jpgModerada pela jornalista do Observatório do Algarve, Conceição Branco, a sessão contou com a participação do Dr. Tiago Cruz, médico de família da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Aljezur, que traçou os conceitos gerais e os princípios dos Cuidados Integrados Domiciliários, seguindo-se o fisioterapeuta Nuno Martins, da Unidade de Cuidados na Comunidade Sto António de Arnilha, que abordou a importância da «promoção da autonomia e a adaptação à situação de dependência, a Enf. Carla Marinho, da Unidade de Cuidados na Comunidade Infante, falou sobre a «organização e recursos do trabalho em equipa multidisciplinar» e «a relação de parceria com as entidades existentes na comunidade», por seu lado, a Dra Vera Martins, Técnica de Serviço Social, destacou a «relação com o cidadão dependente e o seu contexto familiar», «a avaliação das necessidades e das dificuldades», seguindo-se o Dr. Jorge Dourado, médico de família da USF Guadiana, que fez um balanço da sua experiência de «cerca de 30 anos» enquanto médico de família sublinhando a «importância do apoio domiciliário» integrado na Rede dos Cuidados Continuados Integrados como «uma mais-valia para os utentes e familiares». No final a D. Lilía Martins, filha de um utente da Rede expôs a sua experiência, referindo a importância que as equipas de apoio domiciliário assumem na vida das famílias que «por muito que estejam disponíveis para prestar apoio, muitas vezes, não conseguem» e aproveitou a ocasião para agradecer e elogiar todos os profissionais destas equipas pelo seu trabalho.

 

jornadas_10.jpgA sessão da tarde foi dedicada às parcerias estabelecidas no âmbito da implementação das unidades de internamento, com intervenções de diversos interlocutores que apresentaram as suas experiências tendo em conta os diferentes contextos em que se encontram inseridos. Moderado pelo Presidente do Conselho da Comunidade do ACES Central, Eng. António Eusébio, o painel contou com a participação do Dr. João Calão, em representação da ACASO, que falou sobre a importância da ligação à RNCCI, apresentando as obras que a sua associação está a desenvolver neste momento no concelho de Olhão nesta área, sublinhando que «o mais importante não são as obras, mas o trabalho de coordenação entre todos». No mesmo sentido, a Directora Clínica da UMDR Al-Vita, Dra Ana Paula Nunes destacou como factor de sucesso de um Projecto em parceria, «a coordenação» entre a Rede e os parceiros «desde a fase de construção até ao inicio da sua actividade». De seguida, Paulo Neves, abordou a sua experiência enquanto administrador dos HPP’s e a sua integração na Rede com a Unidade de Convalescença de Lagos.

 

jornadas_11.jpgPor seu lado, o Dr. Manuel Caldas de Almeida, administrador e médico, da UC e UCP Residencial do Mar, realçou a importância da rede e a necessidade de reforçar o desenvolvimento de parcerias, apontando como factores essenciais, «a necessidade de dotar as unidades em termos profissionais tendo em conta a realidade sócio-sanitária», «saber onde vamos aplicar os recursos», «saber e medir as necessidades e assim ganhar eficiência, com a perspectiva de melhorar o serviço prestado à comunidade».

 

Outro dos intervenientes deste painel, a Enf. Helena Gonçalves, da Unidade de Cuidados Paliativos do CHBA,EPE, reforçou a importância do trabalho de equipa nos cuidados paliativos, apresentando os mecanismos e estratégias usadas pelos profissionais nesta área, destacando a importância da formação nesta área «tão sensível» tendo em conta atenção que é necessário dar aos utentes destas unidades.

 

jornadasrncci.jpgDe seguida decorreu uma conferência subordinada ao tema «Envelhecimento activo», proferida pela Prof.ª Catedrática Constança Paúl, doutorada em Ciências Biomédicas, especialidade Psicologia Professora Catedrática de Psicologia no do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), Directora do Departamento de Ciências do Comportamento do ICBAS e do Curso Doutoramento em Gerontologia e Geriatria da Universidade do Porto e Universidade de Aveiro. Tendo como ponto de partida o modelo de envelhecimento activo da OMS, que «assenta na saúde, participação e segurança das pessoas idosas, numa perspectiva de género e cultura», a Prof. Constança Paúl no decorrer da sua intervenção, abordou alguns dos factores essenciais para um envelhecimento activo, destacando, a importância dos factores psicológicos, como a personalidade, a capacidade cognitiva, a saúde mental e as atitudes face ao envelhecimento, bem como dos factores sociais, como as redes sociais de apoio e a satisfação com os recursos e serviços da comunidade.

 

jornadas8.jpgNo final da tarde, foram entregues, na presença do Juri presidido pela Coordenadora da Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados, Dra Inês Guerreiro, os prémios do concurso «Rede com Arte II», promovido pela Equipa de Coordenação Regional para os Cuidados Continuados Integrados do Algarve, onde foram premiados os trabalhos realizados pelos doentes admitidos nas unidades de internamento, bem como os posters produzidos pelos profissionais apresentados no âmbito destas Jornadas. Os vencedores foram a Unidade de Longa Duração de Estombar com um trabalho em tapeçaria realizado pelos utentes, a Unidade de Longa Duração de Faro com um quadro intitulado «Vida»; a Unidade de Média Duração e Reabilitação Al-Vita com o trabalho «Árvore», e o Poster eloborado pela equipa da Unidade de Média Duração e Reabilitação de Olhão sobre a satisfação da família/utente – um passo para a melhoria.

 

jornadas7.jpgA sessão de encerramento foi presidida pela Ministra da Saúde, Dra Ana Jorge, que agradecendo o convite para estar presente nas Jornadas, elogiou o trabalho desenvolvido por todos os profissionais que integram as equipas e unidades da região do Algarve da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, destacando a importância de trabalharem em equipa «como forma de melhorar a capacidade de se relacionarem e com isso conseguir uma maior capacidade de desenvolvimento, maior gratificação e obviamente melhor prestação de cuidados», perspectivando um futuro bastante positivo da rede quer a nível nacional quer a nível regional, através do reforço do número de equipas e de unidades das diferentes tipologias.

Consultar: pdf_64x64.pngA Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados na Região do Algarve – Dados de 2008 a 2010

Clique aqui para ver Video sobre o trabalho desenvolvido na Rede de Cuidados Continuados Integrados na Região do Algarve de 2006 a 2011

jornadas3.jpg
Voltar
RSE - Area Cidadão