Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Adesão à 2ª Volta do Rastreio do Cancro da Mama no Algarve aumenta e atinge taxa de adesão de 58%

cmama3.jpgMais de 25 mil mulheres algarvias dos 50 aos 67 anos compareceram na 2.ª volta do Programa do Rastreio do Cancro da Mama do Algarve, tendo sido detectados, até ao momento 85 cancros da mama, de acordo com os resultados preliminares apresentados esta quarta-feira, 15 de Setembro, Dia Nacional do Serviço Nacional de Saúde, pela Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve IP, Dra Filomena Horta Correia, no auditório do Hospital de Faro, EPE. A sessão contou com a presença da Presidente da Associação Laço, Lynne Archibald, que aproveitou o momento para entregar donativos destinados à luta contra o Cancro da Mama e assinar um acordo de cooperação com a ARS Algarve IP com o objectivo de desenvolver estratégias de luta contra o Cancro da Mama na região.

cmama3.jpgMais de 25 mil mulheres algarvias dos 50 aos 67 anos compareceram na 2.ª volta do Programa do Rastreio do Cancro da Mama do Algarve, tendo sido detectados, até ao momento 85 cancros da mama, de acordo com os resultados preliminares apresentados esta quarta-feira, 15 de Setembro, Dia Nacional do Serviço Nacional de Saúde, pela Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve IP, Dra Filomena Horta Correia, no auditório do Hospital de Faro, EPE. A sessão contou com a presença da Presidente da Associação Laço, Lynne Archibald, que aproveitou o momento para entregar donativos destinados à luta contra o Cancro da Mama e assinar um acordo de cooperação com a ARS Algarve IP com o objectivo de desenvolver estratégias de luta contra o Cancro da Mama na região.

cmama1.jpgDas cerca de 43 mil mulheres algarvias dos 50 aos 67 anos convocadas para a realização do rastreio do cancro da mama, compareceram 25056, o que corresponde uma taxa de adesão de 58 %, verificando-se um aumento de 13 % relativamente à 1ª volta do rastreio (45 %). De referir que as mulheres elegíveis são submetidas a uma mamografia digital, gratuita, a cada 2 anos, sendo que na 1.ª volta do rastreio (2005 a 2008) abrangeu as mulheres dos 50 aos 65 anos, a 2.ª volta do rastreio (2008 a 2010) abrangeu as mulheres dos 50 aos 67 anos e a partir da 3.ª volta o rastreio abrangerá as mulheres dos 50 aos 69 anos.

Durante a 2ª volta do Rastreio do Cancro da Mama no Algarve, todos os concelhos mantiveram valores elevados, tendo-se «verificado um aumento da taxa de adesão em relação à 1.ª volta em todos os concelhos, à excepção de Faro e Portimão que mantiveram os valores», explicou a Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve IP, salientando que «os concelhos do interior revelaram uma forte adesão e aumento em relação aos anos anteriores, não existindo diferenças entre populações da serra e barrocal em relação ao litoral».

A Unidade Móvel do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve percorreu os 16 concelhos algarvios, tendo-se registado os seguintes valores de adesão em cada um deles: Alcoutim (1ª Volta: 62% – 2ª Volta: 72%), Castro Marim (1ª Volta: 50% – 2ª Volta: 63%), Vila Real de Santo António (1ª Volta: 45% – 2ª Volta: 66%), Tavira (1ª Volta:42% – 2ª Volta: 62%), Olhão (1ª Volta: 32% – 2ª Volta 58%);  São Brás de Alportel (1ª Volta: 51% – 2ª Volta: 62%); Loulé (1ª Volta:36% – 2ª Volta: 57%); Albufeira (1ª Volta: 36% – 2ª Volta: 59%); Faro (1ª Volta: 53% – 2ª Volta: 53%); Silves (1ª Volta: 47% – 2ª Volta: 59%); Lagoa (1ª Volta: 37% – 2ª Volta: 56%); Lagos (1ª Volta: 42% – 2ª Volta: 53%); Monchique (1ª Volta: 53% – 2ª Volta: 65%); Aljezur (1ª Volta:47% – 2ª Volta: 61%); Vila do Bispo (1ª Volta: 46% – 2ª Volta: 52%); Portimão (1ª Volta: 57% – 2ª Volta: 58%).

cmama4.jpgDas 577 mulheres em que se encontraram lesões suspeitas na mamografia de rastreio, foram posteriormente confirmados em consulta de aferição, 85 cancros da mama e 35 tumores benignos, referiu a Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve IP, explicando que «o ligeiro aumento quer do número de mamografias positivas quer do número de cancros diagnosticados, está relacionado com o crescimento da taxa de adesão».

Iniciado em Setembro de 2005, o Programa de Rastreio de Cancro da Mama, da responsabilidade da Administração Regional de Saúde do Algarve, IP e organizado em colaboração com a Associação Oncológica do Algarve, decorre de acordo com as orientações europeias, dirige-se às mulheres saudáveis residentes no Algarve entre os 50 e os 69 anos e tem como principal objectivo detectar cancros da mama em fases precoces de desenvolvimento de modo a atingir as taxas de sobrevivência mais elevadas possíveis com tratamentos menos agressivos. O rastreio representou nos anos de 2008 – 2010 (2.ª volta) um investimento financeiro directo de 488.392 euros.

No decorrer da sessão, a Presidente da Associação Laço, Lynne Archibald, mostrando-se bastante satisfeita com os resultados obtidos, reforçou que «tem sido um aspecto muito importante das actividades da Laço apoiar o rastreio», aproveitando o momento para entregar à ARS Algarve IP e à Associação Oncológica do Algarve simbolicamente os cheques com os donativos, angariados numa campanha realizada a nível nacional com o apoio da Pionner, destinados à luta contra o Cancro da Mama no valor aproximado de 38.000 euros (30 250 euros – ARS Algarve IP e 8 mil euros – AOA).

cmama2.jpgNo final foi ainda realizada a assinatura de um Acordo de Cooperação entre a Administração Regional de Saúde do Algarve IP  e a Associação Laço com o objectivo do desenvolvimento em colaboração de estratégias de luta contra o cancro da mama na região do Algarve, nomeadamente, em matéria de educação, diagnóstico precoce, rastreio e tratamento.

De referir que o cancro da mama é a causa de cancro mais frequente na mulher, representando 1 em cada 6 óbitos por cancro e cerca de 1.500 óbitos a cada ano. Em Portugal são detectados todos os anos cerca de 4.400 casos de cancro da mama, sendo que uma das principais estratégias para o combater é antecipar o diagnóstico mediante o rastreio por mamografia a partir dos 50 anos de idade.

 

 

 

 

 

Consultar:

pdf_64x64.pngApresentação do Relatório Preliminar da 2ª Volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve – Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARS Algarve IP, Dra Filomena Horta Correia, 15 de Setembro de 2010

cmama3.jpg
Voltar
RSE - Area Cidadão