Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Algarve mantém prevalência da obesidade infantil mais baixa do país, segundo resultados do COSI Portugal

imagem

A prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na Região do Algarve desceu cerca de 15% entre 2006 e 2010, mantendo assim a tendência de contenção na evolução da obesidade infantil e apresentando sistematicamente a prevalência mais baixa de excesso de peso, pré-obesidade e obesidade face às restantes regiões do país, segundo os resultados nacionais da 2ª fase do estudo do Sistema Europeu de Vigilância Nutricional Infantil da Organização Mundial da Saúde (European Childhood Obesity Surveillance Initiative), COSI Portugal, apresentados no passado dia 9 de maio de 2012 no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) em Lisboa.

 

O Sistema Europeu de Vigilância Nutricional Infantil, também denominado COSI, criado em 2008 pela Organização Mundial da Saúde, no seguimento da aprovação da Carta Europeia de Luta Contra a Obesidade, tem como principal objetivo criar uma rede de informação sistemática e periódica sobre as características do estado nutricional infantil de crianças dos 6 aos 8 anos, comparável entre os países e regiões da Europa, através da recolha e análise de dados em 3 fases. Na 1ª fase em 2008 participaram 13 países, em 2010 participaram 17 países, prevendo-se que em 2013 participem os 27 membros da União Europeia.

 

Em Portugal este estudo, com a coordenação científica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, desenvolvido em parceria com a Plataforma de Luta Contra a Obesidade da Direção-Geral da Saúde, é operacionalizado a nível Regional pelas Administrações Regionais de Saúde, pela Direção Regional de Saúde dos Açores e pelo Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais da Madeira.

 

Nesta 2ª fase, foram avaliados, durante o ano letivo 2009/2010, 4064 crianças dos 6 aos 8 anos, de 176 escolas do 1º ciclo do Ensino Básico português, seleccionadas através da listagem oficial de escolas do Ministério de Educação, cuja metodologia se baseou no modelo da epidemiologia descritiva do tipo transversal. 

 

Tabela 1 – Escolas propostas, escolas participantes e crianças estudadas em 2008 e 2010.

 

Escolas propostas

Escolas participantes

Crianças estudadas

 

Algarve

Portugal

Algarve

Portugal

Algarve

Portugal

2008

6

189

5

181

103

3765

2010

6

189

6

176

159

4064

 

No Algarve foram seleccionadas seis escolas tido sido avaliadas 159 crianças, de uma área predominantemente urbana. A avaliação antropométrica foi realizada mediante o consentimento informado dos encarregados de educação, com medição do peso e da estatura. A partir dos dados de peso e estatura foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC). Para a classificação do estado nutricional foram utilizados três critérios de diagnóstico: o Critério da Internacional Obesity Task Force (IOFT), o Critério do Center for Disease Control and Prevention (CDC) e o Critério da OMS.

 

Assim sendo, de acordo com cada um dos critérios acima descritos, na tabela seguinte  apresentam-se os valores de prevalência de baixo peso, excesso de peso (pré-obesidade e obesidade) no Algarve, em 2008 (n=103) e em 2010 (n=159):

 

Tabela 2 – Estado Nutricional no Algarve, de acordo com diferentes critérios de classificação (IOFT, CDC, OMS).

 

Baixo Peso

Excesso de Peso

 

Pré-Obesidade

Obesidade

Total

 

2008

2010

2008

2010

2008

2010

2008

2010

IOFT

14.6

12.7

10.7

8.2

4.9

7.0

15.6

15.2

CDC

5.8

5.7

10.7

9.4

8.7

10.1

19.4

19.5

OMS

1.3

11.7

11.9

9.7

10.7

21.4

22.6

 

Considerando que o valor de prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil, indicado no estudo realizado no Algarve em 2006 (30,2%, entre os 7 e os 9 anos), teve como referência o Critério da Internacional Obesity Task Force (IOFT), constata-se que os resultados obtidos na Região do Algarve, em 2008, apresentam uma descida de 14,6%, e em 2010 de 15,0%, embora os valores do estudo COSI sejam reportados a crianças com idades compreendidas entre os 6 e os 8 anos.

 

De acordo com os restantes critérios de avaliação do estado nutricional das crianças, CDC e OMS, em termos estatísticos tanto em 2008 como em 2010, verifica-se que a Região do Algarve continua a manter a mesma tendência de contenção na evolução da prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil, destacando-se ainda que, independentemente do critério de diagnóstico aplicado, a Região do Algarve apresenta sistematicamente a prevalência mais baixa de excesso de peso, pré-obesidade e obesidade face às restantes regiões do país.

 

Estes resultados constituem uma importante mais-valia na saúde da população algarvia e traduzem o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no âmbito do Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região, implementado pela ARS Algarve IP, através de uma abordagem ecológica que se tem pautado pela implementação de políticas de saúde transversais, ao nível das instituições regionais e locais, baseadas numa metodologia de intervenção comunitária, intersetorial e pluridisciplinar, centralizada na família enquanto célula do tecido social.

 

Consultar:pdf_64x64.png Sinopse de Resultados Estudo COSI (Childhood Obesity Surveillance Initiative) – ALGARVE/ 2010

imagem

A prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na Região do Algarve desceu cerca de 15% entre 2006 e 2010, mantendo assim a tendência de contenção na evolução da obesidade infantil e apresentando sistematicamente a prevalência mais baixa de excesso de peso, pré-obesidade e obesidade face às restantes regiões do país, segundo os resultados nacionais da 2ª fase do estudo do Sistema Europeu de Vigilância Nutricional Infantil da Organização Mundial da Saúde (European Childhood Obesity Surveillance Initiative), COSI Portugal, apresentados no passado dia 9 de maio de 2012 no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) em Lisboa.

 

O Sistema Europeu de Vigilância Nutricional Infantil, também denominado COSI, criado em 2008 pela Organização Mundial da Saúde, no seguimento da aprovação da Carta Europeia de Luta Contra a Obesidade, tem como principal objetivo criar uma rede de informação sistemática e periódica sobre as características do estado nutricional infantil de crianças dos 6 aos 8 anos, comparável entre os países e regiões da Europa, através da recolha e análise de dados em 3 fases. Na 1ª fase em 2008 participaram 13 países, em 2010 participaram 17 países, prevendo-se que em 2013 participem os 27 membros da União Europeia.

 

Em Portugal este estudo, com a coordenação científica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, desenvolvido em parceria com a Plataforma de Luta Contra a Obesidade da Direção-Geral da Saúde, é operacionalizado a nível Regional pelas Administrações Regionais de Saúde, pela Direção Regional de Saúde dos Açores e pelo Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais da Madeira.

 

Nesta 2ª fase, foram avaliados, durante o ano letivo 2009/2010, 4064 crianças dos 6 aos 8 anos, de 176 escolas do 1º ciclo do Ensino Básico português, seleccionadas através da listagem oficial de escolas do Ministério de Educação, cuja metodologia se baseou no modelo da epidemiologia descritiva do tipo transversal. 

 

Tabela 1 – Escolas propostas, escolas participantes e crianças estudadas em 2008 e 2010.

 

Escolas propostas

Escolas participantes

Crianças estudadas

 

Algarve

Portugal

Algarve

Portugal

Algarve

Portugal

2008

6

189

5

181

103

3765

2010

6

189

6

176

159

4064

 

No Algarve foram seleccionadas seis escolas tido sido avaliadas 159 crianças, de uma área predominantemente urbana. A avaliação antropométrica foi realizada mediante o consentimento informado dos encarregados de educação, com medição do peso e da estatura. A partir dos dados de peso e estatura foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC). Para a classificação do estado nutricional foram utilizados três critérios de diagnóstico: o Critério da Internacional Obesity Task Force (IOFT), o Critério do Center for Disease Control and Prevention (CDC) e o Critério da OMS.

 

Assim sendo, de acordo com cada um dos critérios acima descritos, na tabela seguinte  apresentam-se os valores de prevalência de baixo peso, excesso de peso (pré-obesidade e obesidade) no Algarve, em 2008 (n=103) e em 2010 (n=159):

 

Tabela 2 – Estado Nutricional no Algarve, de acordo com diferentes critérios de classificação (IOFT, CDC, OMS).

 

Baixo Peso

Excesso de Peso

 

Pré-Obesidade

Obesidade

Total

 

2008

2010

2008

2010

2008

2010

2008

2010

IOFT

14.6

12.7

10.7

8.2

4.9

7.0

15.6

15.2

CDC

5.8

5.7

10.7

9.4

8.7

10.1

19.4

19.5

OMS

1.3

11.7

11.9

9.7

10.7

21.4

22.6

 

Considerando que o valor de prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil, indicado no estudo realizado no Algarve em 2006 (30,2%, entre os 7 e os 9 anos), teve como referência o Critério da Internacional Obesity Task Force (IOFT), constata-se que os resultados obtidos na Região do Algarve, em 2008, apresentam uma descida de 14,6%, e em 2010 de 15,0%, embora os valores do estudo COSI sejam reportados a crianças com idades compreendidas entre os 6 e os 8 anos.

 

De acordo com os restantes critérios de avaliação do estado nutricional das crianças, CDC e OMS, em termos estatísticos tanto em 2008 como em 2010, verifica-se que a Região do Algarve continua a manter a mesma tendência de contenção na evolução da prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil, destacando-se ainda que, independentemente do critério de diagnóstico aplicado, a Região do Algarve apresenta sistematicamente a prevalência mais baixa de excesso de peso, pré-obesidade e obesidade face às restantes regiões do país.

 

Estes resultados constituem uma importante mais-valia na saúde da população algarvia e traduzem o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no âmbito do Programa de Combate à Obesidade Infantil na Região, implementado pela ARS Algarve IP, através de uma abordagem ecológica que se tem pautado pela implementação de políticas de saúde transversais, ao nível das instituições regionais e locais, baseadas numa metodologia de intervenção comunitária, intersetorial e pluridisciplinar, centralizada na família enquanto célula do tecido social.

 

Consultar:pdf_64x64.png Sinopse de Resultados Estudo COSI (Childhood Obesity Surveillance Initiative) – ALGARVE/ 2010

imagem
Voltar
RSE - Area Cidadão