Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Comissão Nacional para o Desenvolvimento da Cirurgia Ambulatória realça vantagens deste regime no âmbito do SNS na revista Ambulatory Surgery Journal

Foi destacado, na edição de Outubro de 2010 da revista Ambulatory Surgery Journal, o relatório da Comissão Nacional para o Desenvolvimento da Cirurgia Ambulatória (CNADCA) sobre as conclusões obtidas relativamente à cirurgia de ambulatório nos Hospitais do Serviço Nacional de Saúde em Portugal.

 

No artigo publicado é avançado um leque de propostas para colmatar os constrangimentos de realização cirúrgica efectuada em regime de ambulatório no país, e promover a prática. Neste relatório, a CNADCA realça a importância da «redução de 50% da taxa moderadora» a aplicar a este regime cirúrgico, a «entrega gratuita da medicação para o pós-operatório», «medidas económico-financeiras capazes de incentivar positivamente esta prática», e, ainda, «medidas organizacionais que visem a melhoria da qualidade da mesma», sendo a implementação alargada desta prática definida como «um caminho irreversível na Política de Saúde em Portugal».

 

Consultar artigo

Foi destacado, na edição de Outubro de 2010 da revista Ambulatory Surgery Journal, o relatório da Comissão Nacional para o Desenvolvimento da Cirurgia Ambulatória (CNADCA) sobre as conclusões obtidas relativamente à cirurgia de ambulatório nos Hospitais do Serviço Nacional de Saúde em Portugal.

 

No artigo publicado é avançado um leque de propostas para colmatar os constrangimentos de realização cirúrgica efectuada em regime de ambulatório no país, e promover a prática. Neste relatório, a CNADCA realça a importância da «redução de 50% da taxa moderadora» a aplicar a este regime cirúrgico, a «entrega gratuita da medicação para o pós-operatório», «medidas económico-financeiras capazes de incentivar positivamente esta prática», e, ainda, «medidas organizacionais que visem a melhoria da qualidade da mesma», sendo a implementação alargada desta prática definida como «um caminho irreversível na Política de Saúde em Portugal».

 

Consultar artigo

Voltar
RSE - Area Cidadão