rastreio retinopatia diabética
Banner_SemanaTeste_2022
banners_antibioticos2022
i035812
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Consumo moderado de chocolate preto reduz inflamações

Um novo estudo italiano, publicado na revista científica Nutritional Epidemiology, aponta para que o consumo regular e moderado de chocolate preto pode ter efeitos anti-inflamatórios.

 

O estudo de epidemiologia nutricional, realizado no Laboratório de Investigação da Universidade Católica de Campobasso, em colaboração com o Instituto Nacional de Cancro de Milão, baseou-se na medição do marcador de actividade inflamatória, a proteína c-reactiva (PCR) ultrasensível no sangue, no sentido de verificar os níveis inflamatórios em 10 994 pessoas.

 

 

Os investigadores identificaram 1 317 pessoas sem o hábito de consumo de chocolate e 824 com consumo regular de chocolate preto. Após o ajuste por sexo, idade, classe social, actividade física, pressão arterial, índice de massa corporal (IMC), relação cintura, grupos alimentares e consumo total de calorias, o consumo de chocolate preto foi inversamente associado à concentração da PCR ultrasensível.

 

 

O chocolate preto contém níveis altos de flavonoides com propriedades anti inflamatórias, tendo sido medida neste estudo a alta sensibilidade da PCR ultrasensível por um método imunoturbidimétrico.

 

Tendo se verificado concentrações mais baixas da PCR nos consumidores que ingeriram 20g de chocolate preto todos os três dias, comparativamente a consumidores que não consumiram ou nos que consumiram quantidades mais elevadas.

 

 

De referir, contudo, que existem outras fontes alimentares também ricas em flavonóides: uva vermelha, couve, bróculos, cebola roxa, maçãs e cereais.

Um novo estudo italiano, publicado na revista científica Nutritional Epidemiology, aponta para que o consumo regular e moderado de chocolate preto pode ter efeitos anti-inflamatórios.

 

O estudo de epidemiologia nutricional, realizado no Laboratório de Investigação da Universidade Católica de Campobasso, em colaboração com o Instituto Nacional de Cancro de Milão, baseou-se na medição do marcador de actividade inflamatória, a proteína c-reactiva (PCR) ultrasensível no sangue, no sentido de verificar os níveis inflamatórios em 10 994 pessoas.

 

 

Os investigadores identificaram 1 317 pessoas sem o hábito de consumo de chocolate e 824 com consumo regular de chocolate preto. Após o ajuste por sexo, idade, classe social, actividade física, pressão arterial, índice de massa corporal (IMC), relação cintura, grupos alimentares e consumo total de calorias, o consumo de chocolate preto foi inversamente associado à concentração da PCR ultrasensível.

 

 

O chocolate preto contém níveis altos de flavonoides com propriedades anti inflamatórias, tendo sido medida neste estudo a alta sensibilidade da PCR ultrasensível por um método imunoturbidimétrico.

 

Tendo se verificado concentrações mais baixas da PCR nos consumidores que ingeriram 20g de chocolate preto todos os três dias, comparativamente a consumidores que não consumiram ou nos que consumiram quantidades mais elevadas.

 

 

De referir, contudo, que existem outras fontes alimentares também ricas em flavonóides: uva vermelha, couve, bróculos, cebola roxa, maçãs e cereais.

Voltar
RSE - Area Cidadão