rastreio retinopatia diabética
Banner_SemanaTeste_2022
banners_antibioticos2022
i035812
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

«Doenças transmitidas por vetores – Pequena picada, grande ameaça», mote para o Dia Mundial da Saúde de 2014

No  dia 7 de abril comemora-se o Dia Mundial da Saúde, este ano dedicado ao tema doenças transmitidas por vetores. A Organização Mundial de Saúde (OMS) assinala este dia com o mote: Doenças transmitidas por vetores – Pequena picada, grande ameaça.

Doenças transmitidas por vetores correspondem a doenças que são veiculadas por mosquitos, carraças e outros. A malária é o exemplo de uma doença transmitida pelo vector mosquito e já constituiu uma grave ameaça de Saúde Pública na Europa, tendo sido erradicada da Europa em meados do século XX. No entanto, em muitas zonas continuam a existir as espécies de mosquitos responsáveis pela transmissão deste tipo de patologias e a persistir a ameaça do aparecimento de outras doenças.

 

À semelhança dos mosquitos, que são responsáveis pela transmissão de agentes infecciosos (vírus e protozoários) com impacto negativo na saúde da população, também as carraças são competentes na transmissão ao Homem de bactérias e vírus, com consequências significativas para a saúde humana, de que são exemplo a febre da carraça (febre escaro-nodular) e a Doença Lyme. Efetivamente, no hemisfério Norte, a incidência destas patologias tem aumentado nos últimos anos, sendo também uma importante preocupação das autoridades de saúde.

 

O Departamento de Saúde Pública e Planeamento da ARS Algarve IP, atento a esta problemática, tem em curso na região o Programa de Prevenção de Doenças Transmitidas por Artrópodes – vertente mosquito, desde 2004, com os principais objectivos de identificar as espécies de mosquitos presentes na região e avaliar o nível de infeciosidade destes vectores.

Para o efeito, estabeleceu um protocolo de colaboração com o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge/Centro de Estudo de Vectores e Doenças Infecciosas, desde 2006, que analisa mosquitos colhidos em diversos postos biológicos selecionados da região do Algarve.

Por outro lado, a ARS Algarve IP, em colaboração com as autarquias e outras entidades intervenientes (empresa Águas do Algarve), identifica anualmente os locais potenciais e efetivos de criação de mosquitos, no sentido de reduzir a população destes insectos e, consequentemente, reduzir o risco de infecção.

A população também tem um papel importante na minimização deste risco, por um lado evitando a picada (por exemplo através da instalação de redes mosquiteiras e uso de repelente), por outro pela eliminação de criadouros de mosquitos (por exemplo, locais e recipientes que acumulem água, como vasos, baldes, bebedouros de animais, lagos artificiais com água parada).

O resultado deste trabalho permite-nos afirmar que, atualmente, na região do Algarve não estão identificados mosquitos de espécies exóticas, nem mosquitos infectados com agentes patogénicos para o Homem.

Em relação aos vetores carraças, a ARS Algarve tem também em curso na região, desde 2011, o Programa de Prevenção – vertente carraças, cujos objectivos são conhecer as espécies presentes na região, vigiar a atividade destes vetores e avaliar o seu nível de infecciosidade. As carraças são artrópodes vetores que parasitam um vasto nº de animais e que, acidentalmente, picam o homem.

A prevenção é a melhor forma de nos protegermos da picada da carraça e existem algumas regras básicas a seguir quando realizamos atividades ao ar livre (principalmente em zonas com vegetação), como por exemplo: reduzir a área da pele exposta (usando camisa de mangas compridas, calças compridas, meias por fora das calças), usar roupa de cores claras e ao regressar a casa devemos inspecionar o corpo, com especial cuidado nas crianças.

No caso de ser detetada alguma carraça fixa, deve remover-se de imediato para reduzir as hipóteses de transmissão de agentes infecciosos (ver técnica correta de remoção) e, se possível, colocar a carraça num recipiente fechado e levá-la aos Serviços de Saúde. Caso ocorra qualquer alteração do estado de saúde como febre, manchas na pele e dores musculares, deve consultar um médico.

Para mais informações sobre a temática do Dia Mundial da Saúde de 2014, consultar a página da OMS.

 

 Programa de Prevenção de Doenças Transmitidas por Artrópodes – vertente Mosquito

 

Programa Prevenção Doenças Transmitidas por Vetores – Carraças

oms_mosquito.jpg
Voltar
RSE - Area Cidadão