Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Esclarecimento ARS Algarve IP: Sustentabilidade dos cuidados de Saúde na Região do Algarve

Sustentabilidade dos cuidados de Saúde na Região do Algarve

Face às recentes notícias sobre o Centro Hospitalar do Algarve (CHA) e a contestação sobre a alegada «degradação» e «desinvestimento» no SNS na Região do Algarve, entende o Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Algarve IP proceder ao seguinte esclarecimento:

  1. O Ministério da Saúde ao longo dos últimos três anos tem vindo a dar especial atenção à Região do Algarve para reforçar e melhorar a capacidade de resposta dos cuidados de saúde na Região.
  2. No que diz respeito aos cuidados de saúde hospitalares, com a criação do Centro Hospitalar do Algarve, integrando as unidades hospitalares de Faro, Portimão e Lagos, reforça-se a articulação da atividade assistencial destes hospitais, pretendendo promover-se a complementaridade entre eles, melhorando a eficiência e a eficácia dos recursos humanos disponíveis na Região, sem prejuízo do acesso dos utentes a cuidados de saúde de qualidade;
  3. O aumento da capacidade de resposta dos cuidados de saúde primários e a implementação do alargamento da rede de cuidados continuados integrados na Região do Algarve, apesar do atual contexto que o país atravessa, têm permitido aos cuidados hospitalares reforçar as condições de prestação de cuidados de saúde com melhor qualidade e de forma sustentável a toda a população.
  4. O Conselho Diretivo da ARS Algarve IP, desde o primeiro momento tomou oficialmente conhecimento de uma carta assinada por um grupo de médicos assistentes hospitalares do Centro Hospitalar do Algarve, contestando a atual situação de gestão daquela unidade hospitalar, realizou no âmbito das suas competências, todas as diligências, enquanto mediador, com vista a promover o diálogo entre ambas as partes para, em conjunto, alcançarem um entendimento. E, deste modo, por termo à situação de conflito, criando as condições necessárias para que o Centro Hospitalar do Algarve continue a assegurar a prestação de cuidados de saúde de forma eficiente e de qualidade a todos aqueles que necessitem.

 

O Conselho Diretivo da ARS Algarve IP

Faro, 2 de fevereiro de 2014

 

Centro Hospitalar do Algarve – Reforço da prestação de cuidados de saúde hospitalares (alguns items)

 

Unidade Hospitalar de Faro:

  • Entrada em funcionamento da nova área de decisão clínica com capacidade de 26 camas e requalificação do serviço de urgência no inicio de 2013 passou a garantir melhores condições de tratamento e acolhimento dos doentes, ditando deste modo o final da imagem negativa que durante anos tinha estigmatizado esta instituição de saúde, acabando com as macas acumuladas nos corredores do Serviço de Urgência Geral.
  • Alargamento da unidade de cuidados intensivos polivalente, de 9 para 16 camas, com seis postos de hemodiálise de doentes críticos e dois quartos de isolamento, um deles com pressões positivas e negativas;
  • Alargamento da unidade de cuidados intermédios para 10 camas;
  • Alargamento da unidade de AVC com 10 camas (6 agudos e 4 subagudos) sob direção permanente de neurologistas;
  • Criação de sala de trauma do serviço de urgência com possibilidade de intervenção simultânea de dois doentes (reanimação, ventilação, monitorização e cirurgia de emergência);
  • Aumento do número de camas hospitalares relocalizando o serviço de pneumologia no edifício novo do hospital (anteriormente situado a cerca de 2 km), de oncologia e ainda um novo serviço de medicina;
  • Requalificação das áreas comuns do serviço de obstetrícia e ginecologia, bem como bloco de partos e unidade de cuidados intensivos neonatais e pediátricos aumentando a segurança das mães e recém-nascidos;
  • Requalificação do heliporto do hospital permitindo a sua certificação plena após instalação de todos os equipamentos de segurança necessários;
  • Requalificação do Departamento de Saúde Mental (hospital psiquiátrico) criando espaços separados para psicologia e psiquiatria da infância e adolescência bem como redimensionamento e requalificação dos hospitais de dia.

 

Unidade Hospitalar de Portimão e Lagos:

  • Requalificação do serviço de urgência, estando neste momento concluído o novo balcão de atendimento de doentes ambulatórios, a nova sala de espera de doentes triados de amarelo, novo espaço de triagem, bem como a requalificação da UIDA (Unidade de Internamento de Doentes Agudos – Cuidados Intermédios);
  • Alargamento das enfermarias dos 3º, 4º e 5º pisos, permitindo o internamento de mais 27 doentes em condições dignas com o objectivo de, tal como em Faro, terminar com internamentos prolongados no serviço de urgência e macas atravancadas na sala de decisão clínica;

 

Na área da Emergência está a decorrer formação de (18 numa primeira fase) médicos para tripulação de VMER que permitirá aumentar a operacionalidade da VMER do Hospital de Faro e aproximá-la da taxa de operacionalidade da VMER de Portimão (até final do 1º semestre deste ano a operacionalidade rondará os 100% simultaneamente em 2 VMER – Faro e Portimão e acima de 75% na de Albufeira); Estão a ser desenvolvidas as necessárias diligências para que, em meados de abril, entre em funcionamento uma ambulância de Transporte Inter-hospitalar Pediátrico (TIP), dedicada ao transporte de recém-nascidos e doentes pediátricos em estado crítico entre unidades de saúde.

 

Aumento da capacidade de resposta no Cuidados de Saúde Primários (alguns items)

No que diz respeito aos cuidados de saúde primários, a Administração Regional de Saúde do Algarve IP, em articulação com os três Agrupamentos de Centros de Saúde da Região (Barlavento, Central e Sotavento), tem vindo a tomar todas as medidas necessárias para colmatar a crónica carência de médicos de família na Região do Algarve, quer através da abertura de concursos quer através da reorganização dos serviços, de modo a assegurar que todos os utentes tenham acesso à prestação de cuidados de saúde sempre que necessitem. Estando previsto a abertura no inicio de fevereiro um novo procedimento concursal para médicos de medicina geral e familiar e saúde pública para os ACES da Região.

  • 133 Médicos internos iniciaram em janeiro de 2014 o internato médico na Região do Algarve: 24 médicos internos de diversas especialidades hospitalares, 18 internos de Medicina Geral e Familiar, três de Saúde Pública do concurso para Internato Médico 2013/A – Formação Especifica e 88 médicos internos do Ano Comum, que iniciaram a sua formação durante o mês de janeiro, nos Agrupamentos de Centros de Saúde e nas unidades hospitalares do Centro Hospitalar do Algarve.
  • Em junho de 2012 foi inaugurado o novo Centro de Saúde de Portimão com instalações altamente qualificadas para a prestação de cuidados de saúde, permitindo assegurar os cuidados de saúde primários a cerca de 59.000 utentes do concelho de Portimão, onde são realizadas anualmente cerca de 95.000 consultas de ambulatório e mais de 4.000 consultas de especialidades hospitalares.
  • No âmbito do processo de reestruturação e reorganização dos serviços de saúde na Região, a ARS Algarve IP tem vindo a realizar ao longo dos últimos anos obras de conservação, beneficiação, requalificação e adaptação funcional em várias Extensões de Saúde com objetivo de dotá-las de melhores condições de funcionamento e atendimento enquanto Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados, beneficiando tanto os utentes como os profissionais de saúde. Nomeadamente, na Extensão de Saúde de Montenegro (Polo da USF Ria Formosa), Extensão de Saúde de Moncarapacho, Extensão de Saúde da Altura (Polo da USF Guadiana), na Extensão de Saúde de Odeceixe, e, mais recentemente, Extensão de Saúde da Guia, na Extensão de Saúde de Almancil, Extensão de Saúde de Monte Gordo (Polo da USF Guadiana), Extensão de Saúde de São Bartolomeu de Messines, Extensão de Saúde de Salir, entre outras.
  • Todos os residentes no Sotavento Algarvio têm desde setembro de 2013 e pela primeira vez acesso a médico de família. O ACES do Sotavento que integra os concelhos de Tavira, Alcoutim, Castro Marim e Vila Real de Santo António, implementou uma estratégia de reorganização dos serviços e racionalização dos recursos humanos existentes, nomeadamente, médicos e enfermeiros, que permite assegurar uma prestação de cuidados de saúde eficiente e de qualidade a todos aqueles que necessitem e, simultaneamente, garantir médico de família aos cerca de 60 mil utentes inscritos nas diversas unidades que integram os concelhos da sua área de abrangência.

 

Alargamento da oferta nos Cuidados Continuados Integrados (alguns items)

No que diz respeito aos cuidados continuados integrados registou-se em 2013 um alargamento da oferta do número de camas com a entrada em funcionamento de três Unidades de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração e Manutenção (ULDM) na Região: ULDM do Azinhal, no concelho de Castro Marim, com capacidade para 30 camas; ULDM Milreu, em Estói, no concelho de Faro, com capacidade para 40 camas; ULDM de Aljezur, com capacidade para 25 camas.

  • Com a entrada em funcionamento destas três unidades, todas as Unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados construídas e financiadas no âmbito do Programa Modelar II do Ministério da Saúde na Região do Algarve já se encontram em actividade.
  • Atualmente a Região do Algarve conta com um total de 497 camas de internamento divididas pelas diversas tipologias destinadas a cuidados continuados a pessoas dependentes.
  • 32 equipas de apoio domiciliário no âmbito da Rede de Cuidados Continuados Integrados (sendo uma delas de suporte em cuidados paliativos), distribuídas pelos 3 ACES (Barlavento, Central e Sotavento), que abrangem todo o território e prestam cuidados e apoio em todos os concelhos da Região.
  • O Algarve é a Região do país que dá resposta, na área dos Cuidados Continuados Integrados, a uma maior percentagem da sua população, nomeadamente, aos utentes com mais de 65 anos, cerca de duas vezes e meia mais em relação à média nacional, de acordo com o relatório de implementação e monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) referente ao 1º semestre de 2013 divulgado pelo Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).
imgars_news_1.png
Voltar
RSE - Area Cidadão