Apoio Psicológico a utentes e profissionais covid -19
banner_receitas poéticas
folheto_rastreio_retinopatia_BANNER2
banners_site2017_mamografia3
banner_verao&saude_sns
banner_vacinacao_covid
covid_regras_2
banner_GABINETESAUDEMENTAL_covid19_3
banner_obrigado_covid19
previous arrow
next arrow

Exposição de fotografia nos HUC: «No Reino D’Aquém e D’Além Dor, à Procura da Alma da Anestesia»

O Serviço de Anestesiologia dos HUC promove uma grande exposição de fotografia que vai apresentar nomes consagrados e emergentes nas artes visuais, entre artistas nacionais e estrangeiros: Albano da Silva Pereira, António Barreto, Francisco Feio, Inês d’Orey, José Farinha, Leonardo Miranda, Miguel d’Aguiam, Paulo Abrantes, Sebastião Resende, Vandanuno e Wojtek Ziemilsky.  A exposição inaugura no dia 14 de Fevereiro e estará patente até dia 21 de Maio.

 

Intitulada «No Reino D’Aquém e D’Além Dor, à Procura da Alma da Anestesia», a mostra resulta do convite feito aos 11 artistas para a apresentação de narrativas que remetessem «para o imaginário da anestesia, técnica onírica que nos deixa “ausentar” temporariamente do corpo, capaz de domar a dor para que ele possa ser reparado, que permite que os partos se façam sem sofrimento e que doenças dolorosas magoem menos», refere a Comissária da exposição, Olga Maia Seco, Directora da Galeria Santa Clara, Coimbra e que foi Administradora Hospitalar nos HUC durante duas décadas.

 

imagem

O local escolhido, HUC, é emblemático: «O Hospital deve estar permanentemente aberto à comunidade que serve», refere o promotor e produtor da exposição, Dr. José Martins Nunes, Director do Serviço de Anestesiologia e Bloco Operatório Central, quando defende que o hospital moderno se deve abrir à comunidade e que a comunicação faz inclusivamente parte da missão médica. Sendo a arte uma forma de comunicação que dispensa a linguagem falada entendeu-se que uma exposição de artes visuais seria um meio privilegiado de estabelecer elos com os cidadãos utilizadores do hospital. Os HUC, uma empresa pública, com 5.400 trabalhadores e com um fluxo de visitantes diário de milhares de pessoas, assumem assim um importante papel de agente cultural, numa exposição apoiada pela Câmara Municipal de Coimbra e pela Delegação Regional da Cultura e suportada financeiramente por apoios privados.

 

A inauguração conta com a presença dos artistas participantes e com uma comunicação do Dr. Carlos Amaral Dias, Professor Catedrático de Psiquiatria, orientada para a contextualização da anestesiologia, na sociedade contemporânea.

O Serviço de Anestesiologia dos HUC promove uma grande exposição de fotografia que vai apresentar nomes consagrados e emergentes nas artes visuais, entre artistas nacionais e estrangeiros: Albano da Silva Pereira, António Barreto, Francisco Feio, Inês d’Orey, José Farinha, Leonardo Miranda, Miguel d’Aguiam, Paulo Abrantes, Sebastião Resende, Vandanuno e Wojtek Ziemilsky.  A exposição inaugura no dia 14 de Fevereiro e estará patente até dia 21 de Maio.

 

Intitulada «No Reino D’Aquém e D’Além Dor, à Procura da Alma da Anestesia», a mostra resulta do convite feito aos 11 artistas para a apresentação de narrativas que remetessem «para o imaginário da anestesia, técnica onírica que nos deixa “ausentar” temporariamente do corpo, capaz de domar a dor para que ele possa ser reparado, que permite que os partos se façam sem sofrimento e que doenças dolorosas magoem menos», refere a Comissária da exposição, Olga Maia Seco, Directora da Galeria Santa Clara, Coimbra e que foi Administradora Hospitalar nos HUC durante duas décadas.

 

imagem

O local escolhido, HUC, é emblemático: «O Hospital deve estar permanentemente aberto à comunidade que serve», refere o promotor e produtor da exposição, Dr. José Martins Nunes, Director do Serviço de Anestesiologia e Bloco Operatório Central, quando defende que o hospital moderno se deve abrir à comunidade e que a comunicação faz inclusivamente parte da missão médica. Sendo a arte uma forma de comunicação que dispensa a linguagem falada entendeu-se que uma exposição de artes visuais seria um meio privilegiado de estabelecer elos com os cidadãos utilizadores do hospital. Os HUC, uma empresa pública, com 5.400 trabalhadores e com um fluxo de visitantes diário de milhares de pessoas, assumem assim um importante papel de agente cultural, numa exposição apoiada pela Câmara Municipal de Coimbra e pela Delegação Regional da Cultura e suportada financeiramente por apoios privados.

 

A inauguração conta com a presença dos artistas participantes e com uma comunicação do Dr. Carlos Amaral Dias, Professor Catedrático de Psiquiatria, orientada para a contextualização da anestesiologia, na sociedade contemporânea.

imagem
Voltar
RSE - Area Cidadão